7 de fevereiro de 2014

7 on 7 - Fevereiro

Pro 7 on 7 desse mês eu achei que ia ter bastante fotos, e que escolher só sete seria bem difícil, mas não foi assim... portanto vai ter mais fotos de miniaturas do que eu pretendia colocar :D

Pregadores lindos que comprei na livraria Maxsigma por 1 real cada. Meio carinho, mas não pude resistir. Achei MUITO fofo!

Livro lindo sobre Leprechauns que comprei no Book Depository mês passado e levou menos de um mês para chegar. Os correios daqui estão mais espertinhos que antes. Das últimas vezes que comprei lá levou uns dois, três meses.

Bolo de caneca nesse calor?! Poisé, poisé

Uma das fotos que mais gostei da minha visita ao Lavandário de Cunha

Essa foto eu tirei num momento tedioso no qual eu queria muito mexer nas miniaturas mas não sabia o que fazer. Então peguei um dos tecidos que tinha acabado de comprar, coloquei em cima de uma caixinha, e montei esse "cenário" que achei super fofo e que pretendo fazer mais vezes!

Estou adorando usar minhas lentes macros para tirar fotos das miniaturas. Dá um efeito incrível e eu não pretendo parar de usar nunca! 

Última foto das miniaturas, tirada ontem. Coraline estava aprontando um café da manhã não muito saudável.


Se você gostou das fotos e quiser ver mais do meu trabalho, dê uma passadinha no meu Tumblr e no meu Flickr :D
E se você quiser ver como foi o 7 on 7 do mês passado, clique aqui!

3 de fevereiro de 2014

A Maldição do Dente de Leão


Foto: castlescrownscottages.blogspot.com.br (via Pinterest)


Dizem que em terras desconhecidas dos homens, a magia ainda existe. E acompanhado da magia, há a maldição. 

Havia uma garota, nessas terras distantes, que era apaixonada pelas florestas. Passava horas passeando por entre suas árvores, sentindo seus musgos e sentando em seus troncos. Sua cabana era escondida de tal forma, que nenhum homem ousava se aproximar. Diziam que era feiticeira, mas também que era doente. Não saía de lá, ninguém sabia de onde viera ou para onde iria. Na ponta de seus delicados dedos, dentes de leão os ocupavam.

Naquele tempo diziam que uma maldição havia caído sobre ela ao tentar soprar aquelas pequenas criaturinhas, sem saber que eram fadas escondidas. Enraivecidas, as fadas a amaldiçoaram por toda a eternidade. Não envelheceria, não poderia morrer, e teria dentes de leão em seus dedos, para nunca se esquecer. Quem se aproximasse, um fim terrível iria ter.

O medo a impedia de sair da floresta, então ela se acostumara ao clima úmido e silencioso. Construíra uma vida longe de todos que outrora conhecia, e passava os anos estudando plantas, animais e tudo que habitava aquele lugar repleto de magia. 

As fadas, com pena daquela garota tão bonita de cabelos pretos e pele clara, deixaram que, um dia, um belo rapaz se aproximasse. Ele entrou na floresta por engano, e sem saber para onde ir, se embrenhou cada vez mais. Por acaso -ou destino- encontrou a casa dela. As fadas desejaram que eles se apaixonassem e vivessem felizes até o fim dos dias dele, mas elas esqueceram-se da terrível consequência de alguém se aproximar da garota. 

A paixão tomou conta dos dois no momento em que se viram, mas ao primeiro toque da menina no rosto do rapaz os dentes de leão criaram vida e espinho, e o rasgaram a face. Assustada, ela correu para bem longe. As fadas tentaram socorrer o rapaz, mas em vão. Quanto à garota, dizem que está perdida na floresta até hoje; Imortal, indefesa, sem contato com qualquer espécie. Seus dedos tornaram-se espinhos, seu corpo tem machucados que jamais irão sarar, e em seu rosto lágrimas insistem em correr por tudo aquilo que ela não pôde ter.