23 de novembro de 2013

O conto que rendeu muitos pontos

Há algumas semanas resolvi participar de um concurso de contos promovido pela livraria Maxsigma da minha cidade, em parceria com a página E Conte Outra Vez e várias editoras. Sou meio pessimista, então parte de mim acreditava muito que meu conto era capaz de ganhar, mas a outra parte... bem, essa ficava meio tristinha por achar que não era bom o suficiente. 

Surpresa fiquei ao me informarem que fiquei entre os finalistas (foram 4 categorias, e 2 competidores em cada) da minha categoria, que era a 4, com os acima de 15 anos. Hoje, 23 de novembro, foi a divulgação dos primeiros e segundos lugares e eu fiquei muito ansiosa a semana toda, acreditando, sabendo que eu tinha dado meu máximo ao escrever o conto, e que ele tinha chances. Mas aquela parte pessimista ainda persistia, principalmente no momento em que eu estava no meio dos outros concorrentes. Mas eis que ouço o Ricardo (mediador do evento) lendo a parte final do meu querido conto, me classificando como a primeira colocada... Eu pensei que meu rosto travaria no sorriso que dei. O prêmio? Bom... se vocês lerem o meu conto, eu conto :D


O Dragão da Sabedoria 


Essa história não é uma história comum. Não sou menino, muito menos herói. Não vivi batalhas, não salvei princesas, não fui amaldiçoado nem nada disso. Sou um dragão.

Meu nome é Tim e eu não sei minha idade. Já estou velho, mas essa história começa quando eu era pequeno e minha mãe lia para mim. Ela era humana e me acolhera quando eu ainda era um ovo. E ela era uma ladra de livros. Em todo solstício trazia um livro novo e o lia para mim. Sua voz era linda, e eu a amava.

Em uma noite de lua cheia, quando ela saiu para pegar mais uma história, eu a segui. E foi dessa vez que tudo deu errado. Os livros vinham do velho que morava sob a montanha, numa antiga cabana de madeira. Ele percebeu a movimentação da minha mãe naquela noite, e a matou quando ela retirava um livro da prateleira. Estava assustado, e foi um reflexo fatal. Naquela hora eu congelei, não soube o que fazer. Desajeitadamente voei até ela, escapando dos golpes do velho e o acertando com minha cauda. Assim que ele caiu, encostei a cabeça no peito de minha mãe, que estava silencioso. Achei que ele me mataria também, mas ao ver que eu era pequeno e me preocupava com ela, ele me poupou. 

Com arrependimento do mal que fez, o velho adotou-me. Com ele aprendi a ler e escrever usando minhas garras. Cada noite ele lia um livro de sua vasta coleção, até o dia em que deu seu último suspiro. Aprendemos a nos comunicar, e vivemos bem durante alguns anos, nos quais pude aprender tudo que ele descobriu ao longo de sua vida. Eu sabia que aquele ancião me amava e sentia muito pela morte de minha bela mãe.

Hoje não sou apenas um dragão. Sou um sábio, e transmito todo meu conhecimento a qualquer um que queira ouvir, e que esteja disposto a ter isso vindo de um dragão gigante. Os humanos não me temem mais e sei que, por estar vivo, permito que cada um deles tenha sua própria aventura ao ouvir meus conselhos e histórias. E isso, meu caro, é o suficiente para eu viver feliz.
___________________________________________________________________________
E foi isso que eu trouxe para casa ♥:





14 de novembro de 2013

Turistando por São Paulo - Parte 2 (OCA)

Depois da visita ao MAM e do almoço, que consistiu de porcarias que todo mundo ama, passamos pela OCA para ver se tinha alguma exposição legal. E, para nossa surpresa e minha felicidade, estava acontecendo uma exposição fotográfica com entrada gratuita! YAAAAY!!









Fiquei encantada por essa foto da Elle Fanning ♥

















Keira ♥







A segunda parte fica por aqui, espero que tenham gostado das fotos. Ahh, essa exposição fica até o começo de dezembro, se não me engano. Então se você é de São Paulo, ou se vai pra lá nos próximos dias, fica a dica! :D

4 de novembro de 2013

Turistando por São Paulo - Parte 1 (MAM)

Nesse primeiro fim de semana de novembro fui para São Paulo fazer uma visita ao Ibirapuera, a convite do meu namorado e do pai dele. Ano passado já havíamos feito isso, mas eu não estava com a câmera e me arrependo até hoje, porque sempre tem algo novo e legal de se fotografar, e nenhuma visita é igual à outra. E como dessa vez renderam muuuuitas fotos, vou ter que dividir em três partes.

A primeira parte será da primeira visita do dia, o Museu de Arte Moderna. Dessa vez a exposição era sobre alguns projetos feitos por arquitetos para a ampliação dos prédios no parque. Eu, que não sou muito fã de arte moderna e abstrata, gostei dessa por causa das maquetes, e quando eu era criança ficava horas observando plantas de construção e desejando construir maquetes. 











Essas foram algumas coisas que comprei por lá, só pra poder voltar com uma sacolinha e algo para lembrar, coisa que não fiz da outra vez e também me arrependo. Como nada é muito barato, trouxe um marcador de página (R$0,50) e um lápis (R$2,50), que são coisas que gosto de colecionar dos lugares que vou.